Júpiter em Touro

 

Em 16/5/2023 inicia-se o ciclo de Júpiter em Touro. Como o deus dos deuses do Olimpo irá expandir a onda de possibilidades do signo que representa, fundamentalmente, a riqueza sensorial do universo humano?

De acordo com a Astrologia Esotérica de Alice Bailey, o signo de Touro representa o “maior incentivo para a vida”, pois resume o desejo e a aspiração humana unidos à persistência rumo à completude. Isto explica a regência de Vênus sobre Touro, cujas afinidades com este signo são voltadas ao desejo, sensualidade, prazer. Em outras palavras, o signo e a casa onde está nossa Vênus no mapa de nascimento demonstra aquilo que gostamos, o que nos dá prazer e “felicidade” além de harmonizar e promover nossas conexões com pessoas afins.

Podemos entender, então, que o astro que promove a prosperidade e as oportunidades de crescimento irá expandir o acúmulo dos itens que buscamos para compor nossa felicidade, seja ela qual for? Isto dependerá exclusivamente da nossa escolha individual, do discernimento frente às tentações e ambições e, principalmente, de quanto desenvolvemos o autoconhecimento capaz de nos tornar observadores quânticos conscientes com o intelecto supramental ativo e operante.

As histórias da mitologia nos ajudam muito no processo de descoberta dos potenciais arquetípicos em nosso microcosmo. A história do Minotauro é o exemplo das escolhas caóticas dos nossos desejos e ambições desenfreadas. Tudo começou quando Poseidon (Netuno) trouxe um belíssimo touro mágico para que o rei Minos o sacrificasse. Uma pausa aqui. Todos os movimentos dos deuses nas histórias míticas podem se traduzir como desafios ou testes em nossas questões pessoais. Minos não teve este entendimento e sacrificou outro touro comum, contrariando Poseidon. Outra pausa. Os mitos encontram-se na pureza simbólica e visceral do nosso inconsciente. Portanto, na verdade, Minos estava enganando a si mesmo e iniciando um processo cármico ou psíquico que podemos chamar de culpa. Como vingança, Poseidon pediu à Afrodite (Vênus) que fizesse com que a esposa de Minos, Pasífae, se apaixonasse perdidamente pelo touro mágico. As paixões e desejos tresloucados nos deixam em meio a um “estouro da boiada” e, com Pasífae não foi diferente. Pediu para Dédalo, artesão do reino, que fizesse uma fantasia de vaca para que pudesse colocar sua paixão em prática. Dédalo, também ambicioso e exímio artista, cumpriu a tarefa e, como resultado, nasceu o Minotauro: um monstro com corpo de homem e a cabeça de um touro que se alimentava de carne humana.

Se somos levados pelos nossos desejos e ambições criamos um monstro. Esta “moral da história” pode ser entendida se refletirmos sobre o eixo MANUTENÇÃO (Touro) – TRANSMUTAÇÃO (Escorpião), pois o signo oposto e complementar de Touro, Escorpião, remete a perdas e à eterna transformação cíclica a que todas as questões terrenas e sensoriais são submetidas. No entanto, quando estamos nos iludindo ou escondendo o “touro mágico” com apego obsessivo ao objeto de desejo, esquecemos que transitoriedade natural das dimensões “tempo” e “espaço” se encarrega de nos mostrar a finitude de tudo na vida. O perigo está em resistir aos ciclos da natureza, pois podemos criar monstros.

Desta forma, Júpiter em Touro exige o aproveitamento máximo da prosperidade com discernimento e autocontrole. Isto inclui negócios, principalmente voltados à agropecuária e investimentos. O acúmulo desnecessário, a avareza e a resistência à flexibilidade nas buscas irão cultivar o minotauro individual.

O embelezamento venusiano também estará em alta. Decoração, artes plásticas, jardinagem são exemplos que podem aproveitar este potencial. No entanto, Júpiter em Touro não permite a arte utilitária. Prefere a suntuosidade e o conforto renascentistas.

Os signos de Terra (Touro, Virgem e Capricórnio) são os mais estimulados e “incentivados para a vida” com este ciclo. Câncer e Peixes também usufruirão deste período expansivo no âmbito emocional, intuitivo e criativo. Leão, Escorpião e Aquário terão que evitar os exageros, compulsões e descontroles das quadraturas e da oposição (Escorpião).

Este ciclo se encerrará em 25/5/2024 e, caso você tenha astros pessoais, ascendente ou meio-do-céu em um dos signos acima, aconselho atualizar suas previsões e trânsitos para um melhor e mais objetivo aproveitamento ou um planejamento preventivo.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Plutão em Aquário III – Quadratura com Marte

Orientações para o período

Orientações para o período